Últimas 100 Atualizações do Website via Twitter:

Pesquise todo o conteúdo do website Horus Strategy abaixo:
Loading

domingo, julho 31

Segunda-feira tira teima !


O último candle formado na sexta-feira o bearish harami chama a atenção pois as últimas 3 altas aconteceram com a queda do volume (em vermellho) e esta sinalização do candle indica o enfraquecimento da projeção altista confirmada pelo volume.

Segunda-feira deve ser um dia tira teima pois tudo pode acontecer: em função da instabilidade do cenário político, e da possível alta do índice impulsionada pela ação especuladora de fortes bancos.

A boa notícia pelo menos para o mercado de capitais é que as CPIs estão mesmos indicando Cheiro de Pizza Iminente e as bolsas dos exterior passam por uma boa fase.

Segunda-feira promete ser um dia bem volátil e arriscado, logo promete ganhos maiores no day-trade.

Bookmark and Share

Segunda-feira tira teima !


O último candle formado na sexta-feira o bearish harami chama a atenção pois as últimas 3 altas aconteceram com a queda do volume (em vermellho) e esta sinalização do candle indica o enfraquecimento da projeção altista confirmada pelo volume.

Segunda-feira deve ser um dia tira teima pois tudo pode acontecer: em função da instabilidade do cenário político, e da possível alta do índice impulsionada pela ação especuladora de fortes bancos.

A boa notícia pelo menos para o mercado de capitais é que as CPIs estão mesmos indicando Cheiro de Pizza Iminente e as bolsas dos exterior passam por uma boa fase.

Segunda-feira promete ser um dia bem volátil e arriscado, logo promete ganhos maiores no day-trade.

Bookmark and Share

sábado, julho 30

Vale5 realiza lucro conforme previsto



Conforme previsto VALE5 realiza lucro pressionada entre R$67 e 68,50.

Esse movimento poderia representar uma reversão da tendência atista, no entanto, o volume foi consideravelmente baixo indicando uma pasagem temporária antes das novas retomadas.

Recomendação de compra desse ativo no curto prazo.

Bookmark and Share

Vale5 realiza lucro conforme previsto



Conforme previsto VALE5 realiza lucro pressionada entre R$67 e 68,50.

Esse movimento poderia representar uma reversão da tendência atista, no entanto, o volume foi consideravelmente baixo indicando uma pasagem temporária antes das novas retomadas.

Recomendação de compra desse ativo no curto prazo.

Bookmark and Share

A origem de Horus


HORUS (Hor, Heru, Her)
Symbols: hawk/falcon, bull, Double Crown, Winged Disk, Udjat, Sphinx, weapons, iron, blacksmiths
Cult Center: Edfu, Buto and Heliopolis
Myths: Isis and Osiris

The falcon-headed god, the kings of Egypt associated themselves with Horus. Horus was among the most important gods of Egypt, particularly because the Pharaoh was supposed to be his earthly embodiment. Kings would eventually take the name of Horus as one of their own. At the same time, the Pharaohs were the followers of Re and so Horus became associated with the sun as well. To the people this solar deity became identified as the son of Osiris. Attempts to resolve the conflicts between these different gods in different parts of Egypt resulted in at least fifteen distinct forms of Horus. They can be divided fairly easily into two groups, solar and Osirian, based on the parentage of the particular form of Horus. If he is said to be the son of Isis, he is Osirian; otherwise he is a solar deity. The solar Horus was called the son of Atum, or Re, or Geb and Nut variously.
As Harsiesis, he is "Horus, the son of Isis". Horus was conceived magically by Isis following the murder of his father, Osiris. Horus was raised by his mother on the floating island of Chemmis near Buto. He was in constant danger from his evil uncle Seth but his mother protected him and he survived.
As a child, Horus was known as Harpokrates, "the infant Horus", and was portrayed as a baby being suckled by Isis. He was said to be stunted from the waist down. This may be because his father was dead when he was conceived or perhaps because he was born prematurely. In later times he was affiliated with the newborn sun. Harpokrates is pictured as a child sucking his thumb and having his hair fashioned in a sidelock that symbolized his youth. On his head he wore the royal crown and uraeus. Also, in Egyptian art, such as the example to the right, Harpokrates is shown as a child with the sidelock of youth standing on crocodiles and holding in one hand scorpions and in the other hand snakes.
As Harmakhis, "Horus in the Horizon", he personified the rising sun and was associated with Khepera as a symbol of resurrection or eternal life. The Great Sphinx at the Giza Plateau is an example of this form of Horus.
Haroeris, "Horus the Elder", was one of the earliest forms of Horus and the patron deity of Upper (southern) Egypt. He was said to be the son, or sometimes the husband of Hathor. He was also the brother of Osiris and Seth. He became the conqueror of Seth (the patron of Lower Egypt) c. 3000 BCE when Upper Egypt conquered Lower Egypt and formed the united kingdom of Egypt. He was depicted as a falcon-headed man, sometimes wearing the crowns of Upper and Lower Egypt.
Horus (the elder) had numerous wives and children, and his 'four sons' were grouped together and generally said to be born of Isis. The four were known as: Duamutef, Imsety, Hapi and Qebehsenuef. They were born from a lotus flower and were solar gods associated with the creation. They were retrieved from the waters of Nun by Sobek on the orders of Re. It was believed that Anubis gave them the funerary duties of mummification, the Opening of the Mouth, the burial of Osiris and all men. Horus later made them protectors of the four cardinal points. In the Hall of Ma'at they sat on a lotus flower in front of Osiris. Most commonly, however, they were remembered as the protectors of the internal organs of the deceased. Each son protected an organ, and each son was protected by a goddess.
Horus Behdety was a form of Horus the Elder that was worshipped originally in the western Delta at Behdet. As the son and heir of Re, Behdety was a form of Horus that was assimilated into the Heliopolitan system of beliefs yet not completely identified with Re. Behdety was a defender of Re during his earthly kingship against Seth. He was usually portrayed as a winged sun-disk or as a falcon hovering over the Pharaoh during battles. When shown as a falcon-headed man wearing the double crown he carries a falcon-headed staff, the weapon he used to defeat Seth.

Bookmark and Share

A origem de Horus


HORUS (Hor, Heru, Her)
Symbols: hawk/falcon, bull, Double Crown, Winged Disk, Udjat, Sphinx, weapons, iron, blacksmiths
Cult Center: Edfu, Buto and Heliopolis
Myths: Isis and Osiris

The falcon-headed god, the kings of Egypt associated themselves with Horus. Horus was among the most important gods of Egypt, particularly because the Pharaoh was supposed to be his earthly embodiment. Kings would eventually take the name of Horus as one of their own. At the same time, the Pharaohs were the followers of Re and so Horus became associated with the sun as well. To the people this solar deity became identified as the son of Osiris. Attempts to resolve the conflicts between these different gods in different parts of Egypt resulted in at least fifteen distinct forms of Horus. They can be divided fairly easily into two groups, solar and Osirian, based on the parentage of the particular form of Horus. If he is said to be the son of Isis, he is Osirian; otherwise he is a solar deity. The solar Horus was called the son of Atum, or Re, or Geb and Nut variously.
As Harsiesis, he is "Horus, the son of Isis". Horus was conceived magically by Isis following the murder of his father, Osiris. Horus was raised by his mother on the floating island of Chemmis near Buto. He was in constant danger from his evil uncle Seth but his mother protected him and he survived.
As a child, Horus was known as Harpokrates, "the infant Horus", and was portrayed as a baby being suckled by Isis. He was said to be stunted from the waist down. This may be because his father was dead when he was conceived or perhaps because he was born prematurely. In later times he was affiliated with the newborn sun. Harpokrates is pictured as a child sucking his thumb and having his hair fashioned in a sidelock that symbolized his youth. On his head he wore the royal crown and uraeus. Also, in Egyptian art, such as the example to the right, Harpokrates is shown as a child with the sidelock of youth standing on crocodiles and holding in one hand scorpions and in the other hand snakes.
As Harmakhis, "Horus in the Horizon", he personified the rising sun and was associated with Khepera as a symbol of resurrection or eternal life. The Great Sphinx at the Giza Plateau is an example of this form of Horus.
Haroeris, "Horus the Elder", was one of the earliest forms of Horus and the patron deity of Upper (southern) Egypt. He was said to be the son, or sometimes the husband of Hathor. He was also the brother of Osiris and Seth. He became the conqueror of Seth (the patron of Lower Egypt) c. 3000 BCE when Upper Egypt conquered Lower Egypt and formed the united kingdom of Egypt. He was depicted as a falcon-headed man, sometimes wearing the crowns of Upper and Lower Egypt.
Horus (the elder) had numerous wives and children, and his 'four sons' were grouped together and generally said to be born of Isis. The four were known as: Duamutef, Imsety, Hapi and Qebehsenuef. They were born from a lotus flower and were solar gods associated with the creation. They were retrieved from the waters of Nun by Sobek on the orders of Re. It was believed that Anubis gave them the funerary duties of mummification, the Opening of the Mouth, the burial of Osiris and all men. Horus later made them protectors of the four cardinal points. In the Hall of Ma'at they sat on a lotus flower in front of Osiris. Most commonly, however, they were remembered as the protectors of the internal organs of the deceased. Each son protected an organ, and each son was protected by a goddess.
Horus Behdety was a form of Horus the Elder that was worshipped originally in the western Delta at Behdet. As the son and heir of Re, Behdety was a form of Horus that was assimilated into the Heliopolitan system of beliefs yet not completely identified with Re. Behdety was a defender of Re during his earthly kingship against Seth. He was usually portrayed as a winged sun-disk or as a falcon hovering over the Pharaoh during battles. When shown as a falcon-headed man wearing the double crown he carries a falcon-headed staff, the weapon he used to defeat Seth.

Bookmark and Share

Curiosidade


As porções do Olho de Horus somam ~ 1, foi a introdução da fração unitária na história da matemática.

Bookmark and Share

Curiosidade


As porções do Olho de Horus somam ~ 1, foi a introdução da fração unitária na história da matemática.

Bookmark and Share

Horus Strategy acumula 44,60% de ganho bruto em 2005 !

Bookmark and Share

Horus Strategy acumula 44,60% de ganho bruto em 2005 !

Bookmark and Share

O Ibovespa segue trajetória altista


O ibovespa segue a sua trajetória altista com uma pequena realização de lucro nesta sexta-feira.

Com volume baixo, a formação do candle bearish harami não preocupa e aparentemente não apresenta uma reversão de tendência.

O índice rompeu a LTB2 e deve buscar nova resistência na faixa dos 26.600 a 26.800.

Boa parte da realização de lucro de hoje foi influenciada pelas bolsas estrangeiras que tbm apresentaram ligeira queda.

Bookmark and Share

O Ibovespa segue trajetória altista


O ibovespa segue a sua trajetória altista com uma pequena realização de lucro nesta sexta-feira.

Com volume baixo, a formação do candle bearish harami não preocupa e aparentemente não apresenta uma reversão de tendência.

O índice rompeu a LTB2 e deve buscar nova resistência na faixa dos 26.600 a 26.800.

Boa parte da realização de lucro de hoje foi influenciada pelas bolsas estrangeiras que tbm apresentaram ligeira queda.

Bookmark and Share

Cautela com cena política leva à realização e Ibovespa fecha a 1ª etapa em baixa

Por: Marcello de Almeida
29/07/05 - 13h30
InfoMoney


SÃO PAULO - Apesar da manhã positiva para o mercado acionário brasileiro, o Ibovespa encerrou a primeira etapa em leve baixa de 0,35%, cotado a 25.978 pontos. O volume financeiro no pregão da manhã atingiu os R$ 608,97 milhões e a projeção para o fim das negociações indica que o volume não deverá chegar a R$ 1,3 bilhão.

Com o clima político mais calmo, os investidores utilizaram o pregão da manhã para rever posições, aproveitando as oportunidades de curto prazo, uma vez que as perspectivas econômicas e corporativas são favoráveis. Analistas também enxergavam como positivo para o mercado o acordo político que aparentemente está em andamento em Brasília.

Parlamentares não ligados ao PT estão sendo envolvidos de forma mais intensa nas denúncias de corrupção, fato que está levando os partidos políticos a procurarem acordos para tentar evitar a cassação de deputados do PL e do PTB e reduzir a abrangência das investigações.

Entretanto, o clima de cautela acabou falando mais alto e pressionado as negociações no início da tarde. Devido ao melhor desempenho registrado nas últimas três sessões, muitos investidores, preocupados com o noticiário de fim de semana, aproveitam para realizar lucros. Vale citar também que a agenda política da próxima semana será repleta de importantes depoimentos.

Nota de Política Fiscal
Retornando ao plano econômico, o setor público consolidado do país apresentou, em junho, um superávit primário de R$ 9,623 bilhões, o que levou superávit primário acumulado em 2005 para R$ 59,950 bilhões. Esse resultado, equivalente a 6,43% do PIB (Produto Interno Bruto), é o melhor da série histórica, iniciada em 1991.

Porém, embora o governo tenha apresentado superávit em suas contas fiscais em junho, o mesmo não foi suficiente para cobrir os gastos com juros, acarretando em um déficit nominal. A Necessidade de Financiamento do Setor Público (NFSP) foi positiva em R$ 5,610 bilhões no mês passado. Este dado foi resultado de um superávit primário inferior aos R$ 15,234 bilhões referentes ao pagamento de juros no período.

Papéis em destaque
Entre os destaques de queda estavam os papéis Embraer ON (EMBR3, -2,88%), Ipiranga Petróleo PN (PTIP4, -2,29%), Embraer PN (EMBR4, -2,02%), Vale Rio Doce ON (VALE3, -2,01%) e TIM Participações PN (TCSL4, -1,81%).

Por outro lado, as ações Tele Leste Celular PN (TLCP4, +4,62%), Celesc PNB (CLSC6, +1,92%), Cemig PN (CMIG4, +1,92%), Eletropaulo PN (ELPL4, +1,89%) e CST PN (CSTB4, +1,84%) encerraram a manhã em alta.

Os maiores volumes ficaram com Telemar PN (TNLP4, R$ 44,66 milhões), Petrobras PN (PETR4, R$ 41,52 milhões), Cemig PN (CMIG4, R$ 38,14 milhões), Vale Rio Doce PNA (VALE5, R$ 37,79 milhões) e Usiminas PNA (USIM5, R$ 32,77 milhões).

Bolsas internacionais
Nos Estados Unidos, as bolsas operam em baixa, pressionadas pelo crescimento abaixo do esperado do PIB do país. Os investidores analisam ainda outros indicadores econômicos, e acompanham a divulgação de resultados corporativos.

De acordo com os dados divulgados, a economia norte-americana cresceu a uma taxa de 3,4% no segundo trimestre de 2005, levemente abaixo das expectativas de crescimento, de 3,5% e dos 3,8% divulgados anteriormente.

O deflator do PIB, por sua vez, que mede basicamente o custo de uma cesta de bens na economia norte-americana, registrou avanço de 2,4% no segundo trimestre, levemente abaixo dos 2,6% esperados. Vale lembrar que, no período anterior, o indicador apontou alta de 3,1%.

O índice Nasdaq Composite, que concentra as ações de tecnologia norte-americanas, opera em leve baixa de 0,48% e atinge 2.188 pontos. Seguindo esta tendência, o índice S&P 500 desvaloriza-se 0,44% a 1.238 pontos, da mesma forma, o índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, caiu 0,38% a 10.665 pontos.

No que se refere aos mercados europeus, o índice CAC 40 da bolsa de Paris registrou leve baixa de 0,24% e atingiu 4.452 pontos; no mesmo sentido, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt desvalorizou-se 0,12% a 4.887 pontos. Por outro lado, o FTSE 100 da bolsa de Londres operou em leve alta de 0,23%, atingindo 5.282 pontos.

Dólar cai na manhã
No mercado de câmbio, apesar da cautela com o cenário político, o dólar registra baixa, em mais um dia de forte entrada de capitais. O desempenho do risco-país, que opera próximo dos 400 pontos, e as perspectivas econômicas seguem em evidência.

O dólar comercial opera cotado a R$ 2,3860 na compra e R$ 2,3870 na venda, forte baixa de 0,83% em relação ao fechamento anterior. No mercado paralelo, a moeda norte-americana é negociada a R$ 2,6370, representando um ágio de 10,52% em relação ao dólar comercial. Na BM&F, o contrato futuro com vencimento em agosto operava cotado a R$ 2.393, baixa de 0,71% em relação ao fechamento anterior.

Cautela leva à realização e pressiona mercado
O desempenho do Ibovespa nesta primeira etapa de negociações foi influenciado por dois fatores. De um lado, as melhores perspectivas econômicas e corporativas garantiram a valorização do índice pela manhã. Por outro, a cautela com os importantes eventos políticos que estão marcados para os primeiros dias de agosto e com o noticiário de fim de semana acabou levando os investidores a rever suas posições e embolsar os ganhos obtidos nos últimos três dias de negociações.

No decorrer da tarde, a revisão de carteiras e a realização de lucros deve seguir pressionando o mercado, uma vez que o quadro político preocupa muitos agentes. Entretanto, se nenhuma grande informação política negativa vier à tona, as melhores projeções em relação a economia e aos resultados das empresas devem seguir limitando as perdas, sendo que o Ibovespa tende a não registrar grandes variações até o fim do dia.

Bookmark and Share

Cautela com cena política leva à realização e Ibovespa fecha a 1ª etapa em baixa

Por: Marcello de Almeida
29/07/05 - 13h30
InfoMoney


SÃO PAULO - Apesar da manhã positiva para o mercado acionário brasileiro, o Ibovespa encerrou a primeira etapa em leve baixa de 0,35%, cotado a 25.978 pontos. O volume financeiro no pregão da manhã atingiu os R$ 608,97 milhões e a projeção para o fim das negociações indica que o volume não deverá chegar a R$ 1,3 bilhão.

Com o clima político mais calmo, os investidores utilizaram o pregão da manhã para rever posições, aproveitando as oportunidades de curto prazo, uma vez que as perspectivas econômicas e corporativas são favoráveis. Analistas também enxergavam como positivo para o mercado o acordo político que aparentemente está em andamento em Brasília.

Parlamentares não ligados ao PT estão sendo envolvidos de forma mais intensa nas denúncias de corrupção, fato que está levando os partidos políticos a procurarem acordos para tentar evitar a cassação de deputados do PL e do PTB e reduzir a abrangência das investigações.

Entretanto, o clima de cautela acabou falando mais alto e pressionado as negociações no início da tarde. Devido ao melhor desempenho registrado nas últimas três sessões, muitos investidores, preocupados com o noticiário de fim de semana, aproveitam para realizar lucros. Vale citar também que a agenda política da próxima semana será repleta de importantes depoimentos.

Nota de Política Fiscal
Retornando ao plano econômico, o setor público consolidado do país apresentou, em junho, um superávit primário de R$ 9,623 bilhões, o que levou superávit primário acumulado em 2005 para R$ 59,950 bilhões. Esse resultado, equivalente a 6,43% do PIB (Produto Interno Bruto), é o melhor da série histórica, iniciada em 1991.

Porém, embora o governo tenha apresentado superávit em suas contas fiscais em junho, o mesmo não foi suficiente para cobrir os gastos com juros, acarretando em um déficit nominal. A Necessidade de Financiamento do Setor Público (NFSP) foi positiva em R$ 5,610 bilhões no mês passado. Este dado foi resultado de um superávit primário inferior aos R$ 15,234 bilhões referentes ao pagamento de juros no período.

Papéis em destaque
Entre os destaques de queda estavam os papéis Embraer ON (EMBR3, -2,88%), Ipiranga Petróleo PN (PTIP4, -2,29%), Embraer PN (EMBR4, -2,02%), Vale Rio Doce ON (VALE3, -2,01%) e TIM Participações PN (TCSL4, -1,81%).

Por outro lado, as ações Tele Leste Celular PN (TLCP4, +4,62%), Celesc PNB (CLSC6, +1,92%), Cemig PN (CMIG4, +1,92%), Eletropaulo PN (ELPL4, +1,89%) e CST PN (CSTB4, +1,84%) encerraram a manhã em alta.

Os maiores volumes ficaram com Telemar PN (TNLP4, R$ 44,66 milhões), Petrobras PN (PETR4, R$ 41,52 milhões), Cemig PN (CMIG4, R$ 38,14 milhões), Vale Rio Doce PNA (VALE5, R$ 37,79 milhões) e Usiminas PNA (USIM5, R$ 32,77 milhões).

Bolsas internacionais
Nos Estados Unidos, as bolsas operam em baixa, pressionadas pelo crescimento abaixo do esperado do PIB do país. Os investidores analisam ainda outros indicadores econômicos, e acompanham a divulgação de resultados corporativos.

De acordo com os dados divulgados, a economia norte-americana cresceu a uma taxa de 3,4% no segundo trimestre de 2005, levemente abaixo das expectativas de crescimento, de 3,5% e dos 3,8% divulgados anteriormente.

O deflator do PIB, por sua vez, que mede basicamente o custo de uma cesta de bens na economia norte-americana, registrou avanço de 2,4% no segundo trimestre, levemente abaixo dos 2,6% esperados. Vale lembrar que, no período anterior, o indicador apontou alta de 3,1%.

O índice Nasdaq Composite, que concentra as ações de tecnologia norte-americanas, opera em leve baixa de 0,48% e atinge 2.188 pontos. Seguindo esta tendência, o índice S&P 500 desvaloriza-se 0,44% a 1.238 pontos, da mesma forma, o índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, caiu 0,38% a 10.665 pontos.

No que se refere aos mercados europeus, o índice CAC 40 da bolsa de Paris registrou leve baixa de 0,24% e atingiu 4.452 pontos; no mesmo sentido, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt desvalorizou-se 0,12% a 4.887 pontos. Por outro lado, o FTSE 100 da bolsa de Londres operou em leve alta de 0,23%, atingindo 5.282 pontos.

Dólar cai na manhã
No mercado de câmbio, apesar da cautela com o cenário político, o dólar registra baixa, em mais um dia de forte entrada de capitais. O desempenho do risco-país, que opera próximo dos 400 pontos, e as perspectivas econômicas seguem em evidência.

O dólar comercial opera cotado a R$ 2,3860 na compra e R$ 2,3870 na venda, forte baixa de 0,83% em relação ao fechamento anterior. No mercado paralelo, a moeda norte-americana é negociada a R$ 2,6370, representando um ágio de 10,52% em relação ao dólar comercial. Na BM&F, o contrato futuro com vencimento em agosto operava cotado a R$ 2.393, baixa de 0,71% em relação ao fechamento anterior.

Cautela leva à realização e pressiona mercado
O desempenho do Ibovespa nesta primeira etapa de negociações foi influenciado por dois fatores. De um lado, as melhores perspectivas econômicas e corporativas garantiram a valorização do índice pela manhã. Por outro, a cautela com os importantes eventos políticos que estão marcados para os primeiros dias de agosto e com o noticiário de fim de semana acabou levando os investidores a rever suas posições e embolsar os ganhos obtidos nos últimos três dias de negociações.

No decorrer da tarde, a revisão de carteiras e a realização de lucros deve seguir pressionando o mercado, uma vez que o quadro político preocupa muitos agentes. Entretanto, se nenhuma grande informação política negativa vier à tona, as melhores projeções em relação a economia e aos resultados das empresas devem seguir limitando as perdas, sendo que o Ibovespa tende a não registrar grandes variações até o fim do dia.

Bookmark and Share

quinta-feira, julho 28

Dica de amanhã: Bradesco PN



Bradesco PN é uma boa dica para compra amanhã.

Deve atingir R$ 85,65.

O indicador On balance volume está proporcionalmente abaixo dos preços praticados, ou seja existem poucos vendedores desta ação.

Tem grandes chances de romper a LTB no curto prazo.

Bookmark and Share

Dica de amanhã: Bradesco PN



Bradesco PN é uma boa dica para compra amanhã.

Deve atingir R$ 85,65.

O indicador On balance volume está proporcionalmente abaixo dos preços praticados, ou seja existem poucos vendedores desta ação.

Tem grandes chances de romper a LTB no curto prazo.

Bookmark and Share

Petrobras PN e ON são boas opções de compra para amanhã.


Petrobras PN e ON são boas opções de compra para amanhã.

Os dois ativos estão com tendência de alta, principalmente PETR4 que projeta os R$ 117,00, no curto prazo.

Amanhã é preciso acompanhar o dólar na abertura e o desempenho do Ibovespa para se assegurar de que ele manterá sua trajetória altista.

Ao mesmo tempo o risco é grande de manter uma posição durante o fim de semana em função da possibilidade do surgimento de novos escândalos. Logo a melhor opção é o daytrade.

Bookmark and Share

Petrobras PN e ON são boas opções de compra para amanhã.


Petrobras PN e ON são boas opções de compra para amanhã.

Os dois ativos estão com tendência de alta, principalmente PETR4 que projeta os R$ 117,00, no curto prazo.

Amanhã é preciso acompanhar o dólar na abertura e o desempenho do Ibovespa para se assegurar de que ele manterá sua trajetória altista.

Ao mesmo tempo o risco é grande de manter uma posição durante o fim de semana em função da possibilidade do surgimento de novos escândalos. Logo a melhor opção é o daytrade.

Bookmark and Share

Ibovespa após forte alta rompe a LTB2



Ibovespa rompe a LTB2 e deve atingir 26.800 pts sua próxima resistência.

Todos os indicadores apontam para a alta da bolsa.

Amanhã deverá ser outro dia de fortes ganhos !

Bookmark and Share

Ibovespa após forte alta rompe a LTB2



Ibovespa rompe a LTB2 e deve atingir 26.800 pts sua próxima resistência.

Todos os indicadores apontam para a alta da bolsa.

Amanhã deverá ser outro dia de fortes ganhos !

Bookmark and Share

Arcelor anuncia detalhes da consolidação dos ativos da Belgo e da CST

Por: Cauê Todeschini de Assunção
28/07/05 - 09h28
InfoMoney

SÃO PAULO - O grupo siderúrgico europeu Arcelor anunciou nesta quinta-feira os detalhes do processo de consolidação de suas atividades no Brasil, onde possui o controle da Belgo Mineira, da CST e da Vega do Sul, além de uma participação na Acesita.Com a operação, a BELGO, que atualmente é detentora da participação na Belgo Siderurgia S.A. e em outros ativos siderúrgicos da Arcelor no Brasil, passará a concentrar também todas as participações do grupo na CST e na Vega do Sul. Após a operação, a denominação social BELGO será alterada para Arcelor Brasil.

Objetivos da operação
Segundo a Arcelor, os objetivos da operação são o alinhamento dos interesses de todos os acionistas, o aumento da capitalização de mercado, o melhor aproveitamento das sinergias financeiras, operacionais e comerciais e o equilíbrio da exposição aos mercados externo e interno.O Fato Relevante também cita que a consolidação deve transformar a Arcelor Brasil na plataforma preferencial de investimentos da Arcelor na América do Sul, além de servir para o aprimoramento das práticas de governança corporativa.

Posicionamento
Nos últimos meses, vários analistas afirmaram que o melhor posicionamento para a operação de consolidação dos ativos da Arcelor no Brasil seria nas ações da Belgo Mineira, devido à expectativa de melhores proporções na conversão das ações.A Merrill Lynch, no entanto, traçou, recentemente, boas perspectivas para as ações da CST após a operação, colocando os papéis da empresa entre suas principais escolhas no setor siderúrgico brasileiro.

Bookmark and Share

Arcelor anuncia detalhes da consolidação dos ativos da Belgo e da CST

Por: Cauê Todeschini de Assunção
28/07/05 - 09h28
InfoMoney

SÃO PAULO - O grupo siderúrgico europeu Arcelor anunciou nesta quinta-feira os detalhes do processo de consolidação de suas atividades no Brasil, onde possui o controle da Belgo Mineira, da CST e da Vega do Sul, além de uma participação na Acesita.Com a operação, a BELGO, que atualmente é detentora da participação na Belgo Siderurgia S.A. e em outros ativos siderúrgicos da Arcelor no Brasil, passará a concentrar também todas as participações do grupo na CST e na Vega do Sul. Após a operação, a denominação social BELGO será alterada para Arcelor Brasil.

Objetivos da operação
Segundo a Arcelor, os objetivos da operação são o alinhamento dos interesses de todos os acionistas, o aumento da capitalização de mercado, o melhor aproveitamento das sinergias financeiras, operacionais e comerciais e o equilíbrio da exposição aos mercados externo e interno.O Fato Relevante também cita que a consolidação deve transformar a Arcelor Brasil na plataforma preferencial de investimentos da Arcelor na América do Sul, além de servir para o aprimoramento das práticas de governança corporativa.

Posicionamento
Nos últimos meses, vários analistas afirmaram que o melhor posicionamento para a operação de consolidação dos ativos da Arcelor no Brasil seria nas ações da Belgo Mineira, devido à expectativa de melhores proporções na conversão das ações.A Merrill Lynch, no entanto, traçou, recentemente, boas perspectivas para as ações da CST após a operação, colocando os papéis da empresa entre suas principais escolhas no setor siderúrgico brasileiro.

Bookmark and Share

Em dia de calmaria política, dólar cai 1,31% e Bolsa salta 2,88%

O cenário político mais tranqüilo acalmou os mercados nesta quinta-feira. O dólar caiu 1,31%, para R$ 2,407, na terceira sessão consecutiva de baixa, e a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) teve alta de 2,88%, em 26.068 pontos -maior patamar desde 17 de junho. O volume financeiro ficou em R$ 1,6 bilhão, pouco acima da média diária do primeiro semestre."O mercado [de câmbio] acompanhou o ritmo de abrandamento. Acalmou um pouco a temperatura [no campo político]", apontou Daniel Szikszay, gerente de câmbio do banco Schahin. "Deixou de haver aquela preocupação do investidor de buscar proteção."Com isso, explicou o analista, as cotações seguiram ao sabor do fluxo, que tem sido positivo praticamente todos os dias.O gerente de câmbio do banco Prósper, Jorge Knauer, acrescentou que a queda do dólar já reflete o movimento de investidores em busca de uma Ptax mais baixa no fim do mês.A taxa média do dólar da próxima sessão servirá de base para a liquidação dos contratos de dólar futuro na Bolsa de Mercadorias & Futuros. "Como o ambiente interno deu uma arrefecida, e a situação econômica é mais tranqüila. Entram investidores externos, entra fluxo e o dólar cai", afirmou Knauer.Mas os analistas não descartam um movimento de ajuste de posições vendidas em dólar na sexta-feira, já que muitos investidores preferem não passar o fim de semana posicionados.O dia positivo na Bovespa e nos mercados externos também contribuiu para o otimismo do câmbio, disseram analistas.Nesta tarde, o preço dos títulos da dívida externa brasileira avançava mais de 1%, enquanto o risco Brasil, medido pelo banco JP Morgan, cedia 8 pontos, para 408 pontos-básicos sobre os Treasuries.A divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reforçou a valorização do real, já que indicou que os juros devem permanecer elevados por mais algum tempo, o que aumenta as expectativas de ingressos de recursos de investidores estrangeiros em busca de um retorno maior.

Bovespa

Dados como saldo positivo de investidores estrangeiros na bolsa nos últimos dias e IGP-M abaixo do esperado contribuíram para o desempenho das ações na Bovespa."A liquidez mundial tem ajudado bastante, mas prevalece a tese de que a política econômica não sofrerá modificações, qualquer que seja o desfecho da crise (política)", avaliou Alexandre Póvoa, diretor da Modal Asset Management por meio de relatório."O problema é que a semana que vem, com o depoimento de José Dirceu, Roberto Jefferson e Simone Vasconcelos, gerente financeira de Marcos Valério, tende a ser bem tensa", complementou Póvoa. O depoimento de Roberto Jefferson ainda não está confirmado.Nos Estados Unidos, a sessão também foi de ganhos. O Dow Jones subiu 0,64%.Entre as notícias positivas do dia, estava o saldo de estrangeiros na Bovespa de segunda-feira, positivo em cerca de R$ 410 milhões. No mês, até o dia 25, o superávit é de cerca de R$ 1,77 bilhão.Somente três dos 55 papéis do Ibovespa caíram. Um dos destaques da sessão foram as ações da Companhia Siderúrgica de Tubarão, que avançaram 5,04%, a R$ 135,5 reais o lote de mil, após anúncio de que será incorporada pela Belgo Mineiro.

Bookmark and Share

Em dia de calmaria política, dólar cai 1,31% e Bolsa salta 2,88%

O cenário político mais tranqüilo acalmou os mercados nesta quinta-feira. O dólar caiu 1,31%, para R$ 2,407, na terceira sessão consecutiva de baixa, e a Bovespa (Bolsa de Valores de São Paulo) teve alta de 2,88%, em 26.068 pontos -maior patamar desde 17 de junho. O volume financeiro ficou em R$ 1,6 bilhão, pouco acima da média diária do primeiro semestre."O mercado [de câmbio] acompanhou o ritmo de abrandamento. Acalmou um pouco a temperatura [no campo político]", apontou Daniel Szikszay, gerente de câmbio do banco Schahin. "Deixou de haver aquela preocupação do investidor de buscar proteção."Com isso, explicou o analista, as cotações seguiram ao sabor do fluxo, que tem sido positivo praticamente todos os dias.O gerente de câmbio do banco Prósper, Jorge Knauer, acrescentou que a queda do dólar já reflete o movimento de investidores em busca de uma Ptax mais baixa no fim do mês.A taxa média do dólar da próxima sessão servirá de base para a liquidação dos contratos de dólar futuro na Bolsa de Mercadorias & Futuros. "Como o ambiente interno deu uma arrefecida, e a situação econômica é mais tranqüila. Entram investidores externos, entra fluxo e o dólar cai", afirmou Knauer.Mas os analistas não descartam um movimento de ajuste de posições vendidas em dólar na sexta-feira, já que muitos investidores preferem não passar o fim de semana posicionados.O dia positivo na Bovespa e nos mercados externos também contribuiu para o otimismo do câmbio, disseram analistas.Nesta tarde, o preço dos títulos da dívida externa brasileira avançava mais de 1%, enquanto o risco Brasil, medido pelo banco JP Morgan, cedia 8 pontos, para 408 pontos-básicos sobre os Treasuries.A divulgação da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) reforçou a valorização do real, já que indicou que os juros devem permanecer elevados por mais algum tempo, o que aumenta as expectativas de ingressos de recursos de investidores estrangeiros em busca de um retorno maior.

Bovespa

Dados como saldo positivo de investidores estrangeiros na bolsa nos últimos dias e IGP-M abaixo do esperado contribuíram para o desempenho das ações na Bovespa."A liquidez mundial tem ajudado bastante, mas prevalece a tese de que a política econômica não sofrerá modificações, qualquer que seja o desfecho da crise (política)", avaliou Alexandre Póvoa, diretor da Modal Asset Management por meio de relatório."O problema é que a semana que vem, com o depoimento de José Dirceu, Roberto Jefferson e Simone Vasconcelos, gerente financeira de Marcos Valério, tende a ser bem tensa", complementou Póvoa. O depoimento de Roberto Jefferson ainda não está confirmado.Nos Estados Unidos, a sessão também foi de ganhos. O Dow Jones subiu 0,64%.Entre as notícias positivas do dia, estava o saldo de estrangeiros na Bovespa de segunda-feira, positivo em cerca de R$ 410 milhões. No mês, até o dia 25, o superávit é de cerca de R$ 1,77 bilhão.Somente três dos 55 papéis do Ibovespa caíram. Um dos destaques da sessão foram as ações da Companhia Siderúrgica de Tubarão, que avançaram 5,04%, a R$ 135,5 reais o lote de mil, após anúncio de que será incorporada pela Belgo Mineiro.

Bookmark and Share

quarta-feira, julho 27

Ibovespa dá seqüência à trajetória de recuperação e fecha em forte alta

Por: Equipe InfoMoney
27/07/05 - 18h30

SÃO PAULO - Dando continuidade ao movimento de recuperação iniciado na véspera, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou em forte alta de 1,89% nesta quarta-feira, sendo cotado a 25.338 pontos, puxado principalmente pela alta das ações de siderúrgicas. O volume financeiro foi de R$ 1,404 bilhão.
O mercado esteve volátil durante boa parte do pregão, com investidores bastante atentos ao desenrolar da crise política interna. Nesta quarta-feira, a CPI dos Correios pediu a prisão preventiva do publicitário Marcos Valério, acusado de ser um dos operadores do esquema de "mensalão", devido à tentativa de destruição de documentos contábeis em uma de suas empresas O pedido segue agora para o Ministério Público Federal.Apesar das pressões provenientes do cenário político, o mercado consolidou a tendência altista depois da divulgação de indicadores positivos da economia norte-americana. O "livro bege" do Fed, banco central dos EUA, mostrou que a atividade empresarial daquele país continuou crescendo em junho e julho, sem grandes avanços do nível geral de preços. O documento impulsionou as bolsas norte-americanas, que operavam próximas à estabilidade anteriormente à divulgação.

Cenário econômico
Na esfera econômica, a expectativa em relação à divulgação da ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), a ser anunciada na próxima quinta-feira, adicionou mais uma dose de apreensão ao mercado. Já no que se refere à trajetória da inflação, nesta manhã foi divulgado o IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor - Fipe) da terceira quadrissemana de junho, o qual apurou alta de 0,17% nos preços, leve aceleração frente à estabilidade apurada pelo referencial anterior.Também nesta quarta-feira, o Banco Central divulgou a Nota de Política Monetária, referente ao mês de junho, a qual mostrou que a concessão de crédito ao consumidor foi a maior em 19 meses e a inadimplência entre os consumidores brasileiros atingiu seu menor patamar no ano, fato que deve impulsionar a receita de intermediação financeira dos bancos nacionais, principal fonte de faturamento de tais instituições. Nesta quarta-feira, as ações ordinárias da CST fecharam com alta de 7,23%, sendo negociadas a R$ 129,00, beneficiadas pela expectativa de divulgação de bons resultados, na próxima quinta-feira, além da melhora do cenário externo para as empresas siderúrgicas. Vale lembrar que a CST é a companhia do setor que conta com a maior exposição ao mercado internacional.Os papéis preferenciais da Usiminas também registraram fortes ganhos, tendo avançado 5,56%, encerrando o pregão cotados a R$ 41,15, dando seqüência à trajetória de recuperação iniciada na última terça-feira.Por outro lado, contrariando a tendência de alta desta quarta-feira, as ações preferenciais da Embratel fecharam em queda de 2,72%, sendo negociadas a R$ 4,29, com investidores interpretando a divulgação do resultado da empresa, referente ao segundo trimestre do ano. É interessante observar que a gigante mexicana Telmex informou nesta quarta-feira que a Embratel, sua subsidiária, pode fechar em agosto a incorporação da Net.

Em sessão volátil, dólar fechou em queda
No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,4380, o que representa uma queda de 0,57% frente ao fechamento anterior. A sessão foi marcada por uma disputa entre exportadores, internando recursos de vendas ao exterior, e de multinacionais, comprando dólares para fazer remessas, o que imprimiu volatilidade à divisa.No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 116,65% de seu valor de face, o que representa uma alta de 0,09%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 416 pontos base, baixa de 6 pontos base em relação ao fechamento anterior.

Bolsas dos EUA fecharam em alta
Nos Estados Unidos, as principais bolsas do país, após terem operado próximas à estabilidade no início do pregão, fecharam em alta, impulsionadas pelos bons fundamentos da economia norte-americana, ilustrados pelo livro bege do Fed.O índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, fechou em alta de 0,54% e atingiu 10.637 pontos. Seguindo esta tendência, o índice Nasdaq Composite valorizou-se 0,47% a 2.186 pontos, da mesma forma, o índice S&P 500, que engloba as 500 principais empresas norte-americanas, subiu 0,46% a 1.237 pontos. Na Europa, o índice CAC 40 da bolsa de Paris registrou leve alta de 0,28% e atingiu 4.433 pontos; no mesmo sentido, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt valorizou-se 0,24% chegando a 4.855 pontos e o FTSE 100, da bolsa de Londres, subiu 0,14% a 5.264 pontos.

Ata do Copom atrai atenção na quinta-feira
Na próxima quinta-feira, investidores devem estar atentos à divulgação da ata da última reunião do Copom. Também neste dia sai o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) de julho, calculado pela FGV.Nos Estados Unidos, será anunciado o Initial Claims, referente à semana terminada em 23 de julho, que avalia os pedidos de auxílio-desemprego no país, e o Help-Wanted Index de junho. Esse último mostra a força do mercado, mediante a análise de ofertas de emprego publicadas nos principais jornais dos EUA.

Bookmark and Share

Ibovespa dá seqüência à trajetória de recuperação e fecha em forte alta

Por: Equipe InfoMoney
27/07/05 - 18h30

SÃO PAULO - Dando continuidade ao movimento de recuperação iniciado na véspera, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou em forte alta de 1,89% nesta quarta-feira, sendo cotado a 25.338 pontos, puxado principalmente pela alta das ações de siderúrgicas. O volume financeiro foi de R$ 1,404 bilhão.
O mercado esteve volátil durante boa parte do pregão, com investidores bastante atentos ao desenrolar da crise política interna. Nesta quarta-feira, a CPI dos Correios pediu a prisão preventiva do publicitário Marcos Valério, acusado de ser um dos operadores do esquema de "mensalão", devido à tentativa de destruição de documentos contábeis em uma de suas empresas O pedido segue agora para o Ministério Público Federal.Apesar das pressões provenientes do cenário político, o mercado consolidou a tendência altista depois da divulgação de indicadores positivos da economia norte-americana. O "livro bege" do Fed, banco central dos EUA, mostrou que a atividade empresarial daquele país continuou crescendo em junho e julho, sem grandes avanços do nível geral de preços. O documento impulsionou as bolsas norte-americanas, que operavam próximas à estabilidade anteriormente à divulgação.

Cenário econômico
Na esfera econômica, a expectativa em relação à divulgação da ata da última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), a ser anunciada na próxima quinta-feira, adicionou mais uma dose de apreensão ao mercado. Já no que se refere à trajetória da inflação, nesta manhã foi divulgado o IPC-Fipe (Índice de Preços ao Consumidor - Fipe) da terceira quadrissemana de junho, o qual apurou alta de 0,17% nos preços, leve aceleração frente à estabilidade apurada pelo referencial anterior.Também nesta quarta-feira, o Banco Central divulgou a Nota de Política Monetária, referente ao mês de junho, a qual mostrou que a concessão de crédito ao consumidor foi a maior em 19 meses e a inadimplência entre os consumidores brasileiros atingiu seu menor patamar no ano, fato que deve impulsionar a receita de intermediação financeira dos bancos nacionais, principal fonte de faturamento de tais instituições. Nesta quarta-feira, as ações ordinárias da CST fecharam com alta de 7,23%, sendo negociadas a R$ 129,00, beneficiadas pela expectativa de divulgação de bons resultados, na próxima quinta-feira, além da melhora do cenário externo para as empresas siderúrgicas. Vale lembrar que a CST é a companhia do setor que conta com a maior exposição ao mercado internacional.Os papéis preferenciais da Usiminas também registraram fortes ganhos, tendo avançado 5,56%, encerrando o pregão cotados a R$ 41,15, dando seqüência à trajetória de recuperação iniciada na última terça-feira.Por outro lado, contrariando a tendência de alta desta quarta-feira, as ações preferenciais da Embratel fecharam em queda de 2,72%, sendo negociadas a R$ 4,29, com investidores interpretando a divulgação do resultado da empresa, referente ao segundo trimestre do ano. É interessante observar que a gigante mexicana Telmex informou nesta quarta-feira que a Embratel, sua subsidiária, pode fechar em agosto a incorporação da Net.

Em sessão volátil, dólar fechou em queda
No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,4380, o que representa uma queda de 0,57% frente ao fechamento anterior. A sessão foi marcada por uma disputa entre exportadores, internando recursos de vendas ao exterior, e de multinacionais, comprando dólares para fazer remessas, o que imprimiu volatilidade à divisa.No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 116,65% de seu valor de face, o que representa uma alta de 0,09%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 416 pontos base, baixa de 6 pontos base em relação ao fechamento anterior.

Bolsas dos EUA fecharam em alta
Nos Estados Unidos, as principais bolsas do país, após terem operado próximas à estabilidade no início do pregão, fecharam em alta, impulsionadas pelos bons fundamentos da economia norte-americana, ilustrados pelo livro bege do Fed.O índice Dow Jones, que mede o desempenho das 30 principais blue chips norte-americanas, fechou em alta de 0,54% e atingiu 10.637 pontos. Seguindo esta tendência, o índice Nasdaq Composite valorizou-se 0,47% a 2.186 pontos, da mesma forma, o índice S&P 500, que engloba as 500 principais empresas norte-americanas, subiu 0,46% a 1.237 pontos. Na Europa, o índice CAC 40 da bolsa de Paris registrou leve alta de 0,28% e atingiu 4.433 pontos; no mesmo sentido, o índice DAX 30 da bolsa de Frankfurt valorizou-se 0,24% chegando a 4.855 pontos e o FTSE 100, da bolsa de Londres, subiu 0,14% a 5.264 pontos.

Ata do Copom atrai atenção na quinta-feira
Na próxima quinta-feira, investidores devem estar atentos à divulgação da ata da última reunião do Copom. Também neste dia sai o IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado) de julho, calculado pela FGV.Nos Estados Unidos, será anunciado o Initial Claims, referente à semana terminada em 23 de julho, que avalia os pedidos de auxílio-desemprego no país, e o Help-Wanted Index de junho. Esse último mostra a força do mercado, mediante a análise de ofertas de emprego publicadas nos principais jornais dos EUA.

Bookmark and Share

Enquanto monitora crise, mercado espera ata do Copom

Fonte: Agência Estado

São Paulo, 27 - O mercado operou hoje de olho em três parâmetros que ajudaram a formar preços e culminaram com a valorização do Ibovespa: rumores sobre a lista de saques nas contas das empresas de Marcos Valério, que foi enviada pelo STF à CPI dos Correios; o livro Bege divulgado pelo Federal Reserve; e o fluxo de recursos estrangeiros na bolsa paulista. O Ibovespa fechou em alta de 1,89%, com 25.337 pontos. Operou entre a máxima de 25.362 (+1,98%) e a mínima de 24.774 pontos (-0,38%). Com esse resultado, a bolsa voltou ao terreno positivo este mês e passou a acumular alta de 1,14% em julho e baixa de 3,28% em 2005. O volume financeiro ficou em R$ 1,419 bilhão. Wall Street recebeu bem o Livro Bege, e a Bovespa também. Em Nova York, o Dow Jones fechou em alta de 0,54%. E o Nasdaq encerrou os negócios com valorização de 0,47%. "O mercado ficou firme hoje. Mas o fluxo foi fundamental para isso", comentou um operador. Ele se referia à participação do investidor estrangeiro na bolsa. Comentava-se que, na segunda-feira passada, teria entrado um pesado volume de capital externo no mercado doméstico. E que os "gringos" continuariam jogando dinheiro nas ações brasileiras. De acordo com informações da Bovespa, na sexta-feira passada (dia 22/7), quando a Merrill Lynch rebaixou o rating da dívida brasileira, a bolsa registrou ingresso líquido de R$ 214 milhões, elevando a R$ 1,361 bilhão o fluxo positivo acumulado em julho. Entre as 55 ações que compõem o Ibovespa, apenas sete fecharam em queda. As maiores altas do índice foram Siderúrgica Tubarão PN (+7,23%), Usiminas PNA (+6,08%) e Light ON (+5,53%). As maiores baixas foram Embratel Par PN (-2,72%), Cesp PN (-2,12%) e Klabin PN (-1,84%). AE

Bookmark and Share

Enquanto monitora crise, mercado espera ata do Copom

Fonte: Agência Estado

São Paulo, 27 - O mercado operou hoje de olho em três parâmetros que ajudaram a formar preços e culminaram com a valorização do Ibovespa: rumores sobre a lista de saques nas contas das empresas de Marcos Valério, que foi enviada pelo STF à CPI dos Correios; o livro Bege divulgado pelo Federal Reserve; e o fluxo de recursos estrangeiros na bolsa paulista. O Ibovespa fechou em alta de 1,89%, com 25.337 pontos. Operou entre a máxima de 25.362 (+1,98%) e a mínima de 24.774 pontos (-0,38%). Com esse resultado, a bolsa voltou ao terreno positivo este mês e passou a acumular alta de 1,14% em julho e baixa de 3,28% em 2005. O volume financeiro ficou em R$ 1,419 bilhão. Wall Street recebeu bem o Livro Bege, e a Bovespa também. Em Nova York, o Dow Jones fechou em alta de 0,54%. E o Nasdaq encerrou os negócios com valorização de 0,47%. "O mercado ficou firme hoje. Mas o fluxo foi fundamental para isso", comentou um operador. Ele se referia à participação do investidor estrangeiro na bolsa. Comentava-se que, na segunda-feira passada, teria entrado um pesado volume de capital externo no mercado doméstico. E que os "gringos" continuariam jogando dinheiro nas ações brasileiras. De acordo com informações da Bovespa, na sexta-feira passada (dia 22/7), quando a Merrill Lynch rebaixou o rating da dívida brasileira, a bolsa registrou ingresso líquido de R$ 214 milhões, elevando a R$ 1,361 bilhão o fluxo positivo acumulado em julho. Entre as 55 ações que compõem o Ibovespa, apenas sete fecharam em queda. As maiores altas do índice foram Siderúrgica Tubarão PN (+7,23%), Usiminas PNA (+6,08%) e Light ON (+5,53%). As maiores baixas foram Embratel Par PN (-2,72%), Cesp PN (-2,12%) e Klabin PN (-1,84%). AE

Bookmark and Share

Instável, dólar fecha em queda, a R$ 2,440

Quarta, 27 de Julho de 2005, 16h35 Fonte: Investnews
Atualizada às 17h Com Reuters

Após uma manhã de bastante nervosismo e volatilidade, o dólar encerrou em baixa pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira, em meio ao volume mais fraco de negócios na parte da tarde.
A divisa norte-americana encerrou com queda de 0,49%, a R$ 2,440.
"De manhã teve bastante saída, umas operações grandes, mas depois os importadores saíram do mercado e o dólar cedeu um pouco" disse o diretor de câmbio da corretora Novação, Mário Battistel. "Tem pouca liquidez no mercado, muito pouco negócio."
O dólar chegou a avançar 1,14% durante a manhã, a R$ 2,479, com as preocupações sobre o cenário político voltando a predominar sobre os investidores. Mais sensível ao cenário político, o mercado sofreu com uma série de rumores na primeira etapa dos negócios.
"De manhã falaram que poderia sair uma nova lista (sobre os saques feitos nas contas do empresário Marcos Valério de Souza), e o mercado ficou bem nervoso", relatou um operador que não quis ser identificado.
Analistas lembraram que o volume fraco de negócios contribui para que a cotação tenha oscilações maiores quando entram operações mais fortes, seja de compra ou de venda de dólares.
Por esse motivo, a volatilidade do mercado tem sido muito grande nas últimas sessões. Depois de ter registrado alta de quase 3% na segunda-feira, o dólar oscilou mais de 1% para cima e para baixo durante os últimos dois pregões.
O diretor de câmbio da Novação disse ainda que o movimento nos mercados externos colaborou para a tranquilidade no câmbio à tarde.
O dólar perdia terreno para o euro e o iene depois de não ter conseguido superar uma barreira técnica importante apesar da divulgação de dados positivos sobre encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos.
Nesta tarde, os títulos da dívida brasileira exibiam alta, enquanto o risco Brasil, medido pelo banco JP Morgan, cedia 7 pontos, para 416 pontos-básicos sobre os Treasuries.

Bookmark and Share

Instável, dólar fecha em queda, a R$ 2,440

Quarta, 27 de Julho de 2005, 16h35 Fonte: Investnews
Atualizada às 17h Com Reuters

Após uma manhã de bastante nervosismo e volatilidade, o dólar encerrou em baixa pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira, em meio ao volume mais fraco de negócios na parte da tarde.
A divisa norte-americana encerrou com queda de 0,49%, a R$ 2,440.
"De manhã teve bastante saída, umas operações grandes, mas depois os importadores saíram do mercado e o dólar cedeu um pouco" disse o diretor de câmbio da corretora Novação, Mário Battistel. "Tem pouca liquidez no mercado, muito pouco negócio."
O dólar chegou a avançar 1,14% durante a manhã, a R$ 2,479, com as preocupações sobre o cenário político voltando a predominar sobre os investidores. Mais sensível ao cenário político, o mercado sofreu com uma série de rumores na primeira etapa dos negócios.
"De manhã falaram que poderia sair uma nova lista (sobre os saques feitos nas contas do empresário Marcos Valério de Souza), e o mercado ficou bem nervoso", relatou um operador que não quis ser identificado.
Analistas lembraram que o volume fraco de negócios contribui para que a cotação tenha oscilações maiores quando entram operações mais fortes, seja de compra ou de venda de dólares.
Por esse motivo, a volatilidade do mercado tem sido muito grande nas últimas sessões. Depois de ter registrado alta de quase 3% na segunda-feira, o dólar oscilou mais de 1% para cima e para baixo durante os últimos dois pregões.
O diretor de câmbio da Novação disse ainda que o movimento nos mercados externos colaborou para a tranquilidade no câmbio à tarde.
O dólar perdia terreno para o euro e o iene depois de não ter conseguido superar uma barreira técnica importante apesar da divulgação de dados positivos sobre encomendas de bens duráveis nos Estados Unidos.
Nesta tarde, os títulos da dívida brasileira exibiam alta, enquanto o risco Brasil, medido pelo banco JP Morgan, cedia 7 pontos, para 416 pontos-básicos sobre os Treasuries.

Bookmark and Share

Bovespa toma mais fôlego e sobe 1,89%

Quarta, 27 de Julho de 2005, 17h31

Fonte: Reuters

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta nesta quarta-feira, com o mercado deixando o cenário político em segundo plano para se concentrar em dados econômicos e na expectativa por resultados.
Wall Street contribuiu para esse movimento. O índice Dow Jones encerrou com valorização de 0,54%, enquanto o índice das principais ADRs brasileiras subiu 1,79%, depois que dados do livro bege mostraram que a atividade empresarial nos Estados Unidos continuou a crescer em junho e no início de julho.
Os preços em geral desaceleraram ou permaneceram estáveis, apesar dos custos de energia e de construção.
No Brasil, o principal indicador da bolsa paulista avançou 1,89%, para 25.337 pontos, ainda se recuperando da queda de 3,39% de segunda-feira. A sessão, entretanto, foi volátil, e o indicador chegou a ceder 0,38% no fim da manhã, abatido por especulações no front político.
O volume financeiro do dia ficou em R$ 1,4 bilhão, pouco abaixo de média diária do primeiro semestre.
"Acho que hoje o comportamento lá de fora ajudou. A gente tinha até esboçado uma realização (de lucros de terça-feira), mas saiu o livro bege e salvou nossa alta. Estamos recuperando a baixa exagerada (do início da semana)", comentou Luiz Antônio Vaz das Neves, diretor da corretora Planner.

Concordo com o Luiz:
A realização de lucro era o cenário mais provável, mas as bolsas de fora contribuiram para o bom desempenho do Ibovespa.

Bookmark and Share

Bovespa toma mais fôlego e sobe 1,89%

Quarta, 27 de Julho de 2005, 17h31

Fonte: Reuters

A Bolsa de Valores de São Paulo fechou em alta nesta quarta-feira, com o mercado deixando o cenário político em segundo plano para se concentrar em dados econômicos e na expectativa por resultados.
Wall Street contribuiu para esse movimento. O índice Dow Jones encerrou com valorização de 0,54%, enquanto o índice das principais ADRs brasileiras subiu 1,79%, depois que dados do livro bege mostraram que a atividade empresarial nos Estados Unidos continuou a crescer em junho e no início de julho.
Os preços em geral desaceleraram ou permaneceram estáveis, apesar dos custos de energia e de construção.
No Brasil, o principal indicador da bolsa paulista avançou 1,89%, para 25.337 pontos, ainda se recuperando da queda de 3,39% de segunda-feira. A sessão, entretanto, foi volátil, e o indicador chegou a ceder 0,38% no fim da manhã, abatido por especulações no front político.
O volume financeiro do dia ficou em R$ 1,4 bilhão, pouco abaixo de média diária do primeiro semestre.
"Acho que hoje o comportamento lá de fora ajudou. A gente tinha até esboçado uma realização (de lucros de terça-feira), mas saiu o livro bege e salvou nossa alta. Estamos recuperando a baixa exagerada (do início da semana)", comentou Luiz Antônio Vaz das Neves, diretor da corretora Planner.

Concordo com o Luiz:
A realização de lucro era o cenário mais provável, mas as bolsas de fora contribuiram para o bom desempenho do Ibovespa.

Bookmark and Share

terça-feira, julho 26

VALE5 próxima de uma realização de lucro



A VALE5 ainda é uma boa opção para amanhã, no entanto está próxima de uma realização de lucro em função do indicador estocástico e do IFR elevado.

É provável que siga a tendência dos últimos dias: abre em queda ou com gap para baixo e depois se recupera aos poucos.

De qualquer maneira é melhor ficar fora das posições compradas amanhã pois a evasão dos investidores estrangeiros já foi sentida no pregão de hoje e a tendência é de muita turbulência no cenário político, com um ibovespa pressionado em zona de congestão (cunha) possibilitando a reversão da tendência altista no curto prazo.

Bookmark and Share

VALE5 próxima de uma realização de lucro



A VALE5 ainda é uma boa opção para amanhã, no entanto está próxima de uma realização de lucro em função do indicador estocástico e do IFR elevado.

É provável que siga a tendência dos últimos dias: abre em queda ou com gap para baixo e depois se recupera aos poucos.

De qualquer maneira é melhor ficar fora das posições compradas amanhã pois a evasão dos investidores estrangeiros já foi sentida no pregão de hoje e a tendência é de muita turbulência no cenário político, com um ibovespa pressionado em zona de congestão (cunha) possibilitando a reversão da tendência altista no curto prazo.

Bookmark and Share

Siderurgia e mineração: Brascan Corretora publica seu relatório trimestral

Por: Marcello de Almeida
26/07/05 - 10h50
InfoMoney


SÃO PAULO - Comentando suas perspectivas para os resultados das empresas dos setores de siderurgia e mineração, a Brascan Corretora publicou um novo relatório ressaltando suas boas perspectivas de longo prazo para os setores.

Os analistas destacam, entretanto, que o aumento da produção de aço, aliado ao recuo das vendas das siderúrgicas e queda dos preços globais dos produtos cíclicos, deve seguir pressionando a cotação das ações desses setores, que tendem a seguir com forte volatilidade no curto prazo.

A recomendação de "compra" para as ações preferenciais classe A da Usiminas (target price de R$ 76,48) e Vale do Rio Doce (target price de R$ 112,71) e para as preferenciais da Gerdau (target price de R$ 50,39) e CAEMI (target price de R$ 3,12) foi reiterada para os investidores com perfil de logo prazo.

Siderurgia: melhores perspectivas são de logo prazo
Uma série de complexos fatores influenciou os desempenhos das empresas de siderurgia e mineração no segundo trimestre deste ano. No caso das siderúrgicas, destaque para forte queda dos preços internacionais do aço e discreta redução destes no mercado interno.

Os preços do aço, que subiram forte entre o início de 2002 e fim de 2004, já caíram cerca de 22% em relação ao pico, sendo que, no acumulado deste ano, até o dia 22 de julho, as perdas estavam em 19,8%. Por outro lado, os custos das siderúrgicas brasileiras subiram significativamente no primeiro semestre e as vendas caíram 4,5%, com destaque para a redução de 10,9% no volume exportado.

Neste cenário, espera-se que os resultados das siderúrgicas no segundo trimestre de 2005 apresente uma deterioração das margens operacionais. A apreciação do real também deve reduzir as receitas com exportações, mas, por outro lado, tende a permitir maiores ganhos financeiros, o que pode atenuar as perdas operacionais e impactar de forma positiva sobre os lucros líquidos.

Mineradoras enfrentam cenário diferente e mais positivo
Apesar de as mineradoras também sofrerem com as alterações de mercado vividas pelo setor siderúrgico, os analistas comentam que a situação destas é totalmente diferente. Com o aumento da produção de aço e, conseqüentemente, das vendas, a receita e as margens operacionais destas empresas devem ainda ser fortemente impulsionadas pelo aumento dos preços dos produtos vendidos, como dos minérios finos, granulados, pelotas para alto forno e redução direta.

Neste contexto, ressalta-se o forte potencial de valorização das ações da Vale e CAEMI, que operam com cerca de 84% e 79% de suas receitas atreladas à venda de minério e pelotas. Os analistas acreditam que os reajustes de preços implementados pelas empresas só serão demonstrados de forma mais relevante nos números do segundo trimestre. Além disso, a Vale anunciou que vai investir na extração de níquel e carvão, projetos ainda não incorporados nos preços alvos descritos pela Brascan Corretora.

Bookmark and Share

Siderurgia e mineração: Brascan Corretora publica seu relatório trimestral

Por: Marcello de Almeida
26/07/05 - 10h50
InfoMoney


SÃO PAULO - Comentando suas perspectivas para os resultados das empresas dos setores de siderurgia e mineração, a Brascan Corretora publicou um novo relatório ressaltando suas boas perspectivas de longo prazo para os setores.

Os analistas destacam, entretanto, que o aumento da produção de aço, aliado ao recuo das vendas das siderúrgicas e queda dos preços globais dos produtos cíclicos, deve seguir pressionando a cotação das ações desses setores, que tendem a seguir com forte volatilidade no curto prazo.

A recomendação de "compra" para as ações preferenciais classe A da Usiminas (target price de R$ 76,48) e Vale do Rio Doce (target price de R$ 112,71) e para as preferenciais da Gerdau (target price de R$ 50,39) e CAEMI (target price de R$ 3,12) foi reiterada para os investidores com perfil de logo prazo.

Siderurgia: melhores perspectivas são de logo prazo
Uma série de complexos fatores influenciou os desempenhos das empresas de siderurgia e mineração no segundo trimestre deste ano. No caso das siderúrgicas, destaque para forte queda dos preços internacionais do aço e discreta redução destes no mercado interno.

Os preços do aço, que subiram forte entre o início de 2002 e fim de 2004, já caíram cerca de 22% em relação ao pico, sendo que, no acumulado deste ano, até o dia 22 de julho, as perdas estavam em 19,8%. Por outro lado, os custos das siderúrgicas brasileiras subiram significativamente no primeiro semestre e as vendas caíram 4,5%, com destaque para a redução de 10,9% no volume exportado.

Neste cenário, espera-se que os resultados das siderúrgicas no segundo trimestre de 2005 apresente uma deterioração das margens operacionais. A apreciação do real também deve reduzir as receitas com exportações, mas, por outro lado, tende a permitir maiores ganhos financeiros, o que pode atenuar as perdas operacionais e impactar de forma positiva sobre os lucros líquidos.

Mineradoras enfrentam cenário diferente e mais positivo
Apesar de as mineradoras também sofrerem com as alterações de mercado vividas pelo setor siderúrgico, os analistas comentam que a situação destas é totalmente diferente. Com o aumento da produção de aço e, conseqüentemente, das vendas, a receita e as margens operacionais destas empresas devem ainda ser fortemente impulsionadas pelo aumento dos preços dos produtos vendidos, como dos minérios finos, granulados, pelotas para alto forno e redução direta.

Neste contexto, ressalta-se o forte potencial de valorização das ações da Vale e CAEMI, que operam com cerca de 84% e 79% de suas receitas atreladas à venda de minério e pelotas. Os analistas acreditam que os reajustes de preços implementados pelas empresas só serão demonstrados de forma mais relevante nos números do segundo trimestre. Além disso, a Vale anunciou que vai investir na extração de níquel e carvão, projetos ainda não incorporados nos preços alvos descritos pela Brascan Corretora.

Bookmark and Share

O Ibovespa segue como previsto !


Conforme profetizado no tópico anterior: Piora do cenário político prevalece http://geocities.yahoo.com.br/danielcastro_frances/2005/07/piora-do-cenrio-poltica-prevalece.html

O Ibovespa recuou (pullback) para um patamar próximo dos 25.000 pts e deve entrar em congestão na cunha de baixo que converge para 24.650 pts.

A volatilidade permanece alta e boas oportunidades de trades intradiários são possíveis, em especial PETR4 e VALE5, por serem mais líquidas. Mas qualquer posição de médio e longo prazo permanece ariscada em função do cenário político.

Bookmark and Share

O Ibovespa segue como previsto !


Conforme profetizado no tópico anterior: Piora do cenário político prevalece http://geocities.yahoo.com.br/danielcastro_frances/2005/07/piora-do-cenrio-poltica-prevalece.html

O Ibovespa recuou (pullback) para um patamar próximo dos 25.000 pts e deve entrar em congestão na cunha de baixo que converge para 24.650 pts.

A volatilidade permanece alta e boas oportunidades de trades intradiários são possíveis, em especial PETR4 e VALE5, por serem mais líquidas. Mas qualquer posição de médio e longo prazo permanece ariscada em função do cenário político.

Bookmark and Share

segunda-feira, julho 25

Horus Strategy acumula ganhos de 42,91% no ano

Bookmark and Share

Horus Strategy acumula ganhos de 42,91% no ano

Bookmark and Share

Vale apela a ANTT para tentar manter participação de 38% na MRS...

Os advogados da Companhia Vale do Rio Doce encaminharam nesta segunda-feira uma proposta à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para tentar manter uma participação de 38% na MRS Logística. A ferrovia operada pela MRS corta os estados da Região Sudeste e é a principal via de escoamento da produção de insumos e produtos siderúrgicos da região. Além da Vale, a CSN, Gerdau e Usiminas são sócias na MRS Logística. As siderúrgicas têm reclamado das tarifas de transportes cobradas pela Vale e acusam a mineradora de monopólio. A Vale admite abrir mão do direito de voto na Ferteco e reduzir o número de participantes no Conselho de cinco para três para colocar fim ao impasse. No mês que vem, o Cade vai dar seu parecer no processo em que a mineradora é acusada de concentrar mercado. "Se o controle da MRS ficar com os siderurgistas, isso vai impedir a vinda de outras siderúrgicas para o Brasil. A Vale é o maior usuário da MRS e quem mais investe. A postura do Instituto Brasileiro de Siderurgia (IBS) é estranha, e no mínimo, oportunista", afirmou hoje José Delchiaro, advogado da Vale. Rodrigo Gaier / Guilherme Monsanto.

Bookmark and Share

Vale apela a ANTT para tentar manter participação de 38% na MRS...

Os advogados da Companhia Vale do Rio Doce encaminharam nesta segunda-feira uma proposta à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para tentar manter uma participação de 38% na MRS Logística. A ferrovia operada pela MRS corta os estados da Região Sudeste e é a principal via de escoamento da produção de insumos e produtos siderúrgicos da região. Além da Vale, a CSN, Gerdau e Usiminas são sócias na MRS Logística. As siderúrgicas têm reclamado das tarifas de transportes cobradas pela Vale e acusam a mineradora de monopólio. A Vale admite abrir mão do direito de voto na Ferteco e reduzir o número de participantes no Conselho de cinco para três para colocar fim ao impasse. No mês que vem, o Cade vai dar seu parecer no processo em que a mineradora é acusada de concentrar mercado. "Se o controle da MRS ficar com os siderurgistas, isso vai impedir a vinda de outras siderúrgicas para o Brasil. A Vale é o maior usuário da MRS e quem mais investe. A postura do Instituto Brasileiro de Siderurgia (IBS) é estranha, e no mínimo, oportunista", afirmou hoje José Delchiaro, advogado da Vale. Rodrigo Gaier / Guilherme Monsanto.

Bookmark and Share

Dica para amanhã: VALE5 no daytrade


Em época de forte crise política e de intensa volatilidade o ideal é investir no que é certo.

Renda fixa é uma opção mas para quem gosta de emoções fortes a dica é operar VALE5 pois seu rating é maior que o soberano e tem fundamentos de sobra para valorizar até o final do ano.

A dica é esperar as ações da Vale do Rio Doce realizarem um primeiro piso no dia e acompanhar seu desempenho intradiário através do indicador estocástico e comprar assim que as curvas se cruzarem (indicando compra), depois é só vender no próximo cruzamento ou ficar com as ações mesmo pois a ação é boa demais !

Bookmark and Share

Dica para amanhã: VALE5 no daytrade


Em época de forte crise política e de intensa volatilidade o ideal é investir no que é certo.

Renda fixa é uma opção mas para quem gosta de emoções fortes a dica é operar VALE5 pois seu rating é maior que o soberano e tem fundamentos de sobra para valorizar até o final do ano.

A dica é esperar as ações da Vale do Rio Doce realizarem um primeiro piso no dia e acompanhar seu desempenho intradiário através do indicador estocástico e comprar assim que as curvas se cruzarem (indicando compra), depois é só vender no próximo cruzamento ou ficar com as ações mesmo pois a ação é boa demais !

Bookmark and Share

Dólar teve maior alta em mais de um ano

No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,4630, o que representa uma alta de 2,71% frente ao fechamento anterior, a maior apreciação da moeda norte-americana em mais de um ano.

No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 115,95% de seu valor de face, o que representa uma queda de 2,11%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 416 pontos base, estável em relação ao fechamento anterior.

Com a deterioração do cenário político doméstico, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou em forte queda de 3,39% nesta segunda-feira, sendo cotado a 24.531 pontos, pressionado, especialmente, por uma saída de investidores estrangeiros. O volume financeiro foi expressivo e girou R$ 1,897 bilhão.

O mercado esteve nervoso durante todo o pregão, com investidores refletindo sobre as notícias publicadas em revistas semanais e sobre o destaque dado pelo jornal britânico Financial Times à crise política brasileira. O FT afirmou que este é o escândalo de corrupção mais grave vivido pelo país desde o impeachment de Fernando Collor e acrescentou que o presidente Lula precisa agir com urgência para resolver a questão.

Com a cena política nacional cada vez mais grave, aumenta-se a expectativa de por quanto tempo a imagem do presidente Lula se manterá alheia às denúncias de corrupção. Além disso, parece tornar-se cada vez mais difícil isolar a economia da instabilidade política interna.

Bookmark and Share

Dólar teve maior alta em mais de um ano

No mercado de câmbio, o dólar encerrou cotado a R$ 2,4630, o que representa uma alta de 2,71% frente ao fechamento anterior, a maior apreciação da moeda norte-americana em mais de um ano.

No mercado de títulos da dívida externa brasileira, o Global 40, bônus mais líquido, encerrou cotado a 115,95% de seu valor de face, o que representa uma queda de 2,11%. O risco país, calculado pelo conglomerado norte-americano JP Morgan, fechou cotado a 416 pontos base, estável em relação ao fechamento anterior.

Com a deterioração do cenário político doméstico, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, fechou em forte queda de 3,39% nesta segunda-feira, sendo cotado a 24.531 pontos, pressionado, especialmente, por uma saída de investidores estrangeiros. O volume financeiro foi expressivo e girou R$ 1,897 bilhão.

O mercado esteve nervoso durante todo o pregão, com investidores refletindo sobre as notícias publicadas em revistas semanais e sobre o destaque dado pelo jornal britânico Financial Times à crise política brasileira. O FT afirmou que este é o escândalo de corrupção mais grave vivido pelo país desde o impeachment de Fernando Collor e acrescentou que o presidente Lula precisa agir com urgência para resolver a questão.

Com a cena política nacional cada vez mais grave, aumenta-se a expectativa de por quanto tempo a imagem do presidente Lula se manterá alheia às denúncias de corrupção. Além disso, parece tornar-se cada vez mais difícil isolar a economia da instabilidade política interna.

Bookmark and Share

Piora do cenário política prevalece


A deterioração do cenário político impulsionou a forte queda da bolsa hoje.

O Ibovespa encostou na LTA1 e recuou mas rompeu a LTA2 sem o menor constrangimento.

Caso o índice fique abaixo de 24.500 pts, ele pode estabilizar nos 24.000 que é o pivot suporte, e ainda abaixo deste temos o Fibonacci dos 23.500 pts. (o último suspiro)

É possível que o índice faça um pullback até os 25.000 pts amanhã e se posicione na cunha que converge aos 24.650 (a de baixo), já que encostou na LTA e recuou. Mas de qualquer forma todo o cuidado é pouco pois o dólar bateu recorde de valorização próximo topic.

Bookmark and Share

Piora do cenário política prevalece


A deterioração do cenário político impulsionou a forte queda da bolsa hoje.

O Ibovespa encostou na LTA1 e recuou mas rompeu a LTA2 sem o menor constrangimento.

Caso o índice fique abaixo de 24.500 pts, ele pode estabilizar nos 24.000 que é o pivot suporte, e ainda abaixo deste temos o Fibonacci dos 23.500 pts. (o último suspiro)

É possível que o índice faça um pullback até os 25.000 pts amanhã e se posicione na cunha que converge aos 24.650 (a de baixo), já que encostou na LTA e recuou. Mas de qualquer forma todo o cuidado é pouco pois o dólar bateu recorde de valorização próximo topic.

Bookmark and Share

domingo, julho 24

Toda cautela é pouco !!!

Valério promete levar quilos de papéis a Brasília
O empresário Marcos Valério de Souza, no centro das denúncias que atingem o PT e o governo, afirmou que apresentará em uma semana "quilos dedocumentos" em Brasília e acusou o PT de armar a história de que teria chantageado o governo.

"A estória da chantagem é uma armação do PT para dar o calote nos empréstimos feitos legalmente no sistema bancário e em atendimento ao partido", sustentou ele em nota emitida por sua assessoria de imprensa neste domingo.

Na nota, ele acrescentou que entregará no início da próxima semana à Procuradoria Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF) "farta documentação, comprovando a regularidade da movimentação financeira de suas empresas". Ele também afirmou que, se necessário, cobrará a dívida do PT judicialmente.

A edição da revista Veja desta semana sustenta que Valério teria dito ao ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP): "Vocês vão se ferrar. Avisa ao barbudo que tenho bala contra ele", referindo-se ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada neste domingo, Valério indicou que entregará "quilos de documentos" em Brasília. "Quem tiver motivos para preocupação pode ir se preocupando", disse. Valério acrescentou que está cobrando o que lhe devem.

"A realidade é bem simples. O PT me pediu dinheiro emprestado e está provado que tomei os empréstimos nos bancos. Não paguei a ninguém da minha cabeça", afirmou na entrevista. "Se mandou pagar ao PL ou ao PP, ou a que partido for, se foi para pagar dívidas de campanha ou para gastos de pré-campanha, isso não me diz respeito".

A onda de denúncias começou em maio, quando foi divulgada uma fita que mostrava o ex-chefe do departamento de compra dos Correios recebendo propina e dizendo que o deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) estaria envolvido.

No início de junho, o próprio Jefferson denunciou a existência do suposto esquema de pagamento a parlamentares da base aliada em troca de apoio em votações no Congresso. Os empréstimos feitos pelas empresas de Valério somam 93 milhões de reais, de acordo com valores corrigidos.
Na nota, Valério também afirma que não entende como alguns políticos dizem que receberam doações da Usiminas, "uma vez que, na verdade, as doações foram da SMPB" e lamenta que seu nome esteja envolvido em fantasias para "alavancar vendas de revistas".

Dirceu
Em nota divulgada no sábado, o deputado federal José Dirceu (PT-SP) também criticou a cobertura da imprensa sobre os escândalos envolvendo o PT, o governo e o Congresso Nacional.
Ele afirmou que "o linchamento moral" a que considera estar sendo submetido é uma "covardia jamais vista na história política deste País". Dirceu fez críticas diretas à revista Veja, ao jornal Correio Braziliense, ao Jornal Nacional da TV Globo e à Folha de S.Paulo.
Dirceu afirmou ainda que a imprensa tem ignorado suas explicações e, em alguns casos, sequer tem procurado ouvi-lo antes de publicar reportagens que o envolva em denúncias.

Bookmark and Share

Toda cautela é pouco !!!

Valério promete levar quilos de papéis a Brasília
O empresário Marcos Valério de Souza, no centro das denúncias que atingem o PT e o governo, afirmou que apresentará em uma semana "quilos dedocumentos" em Brasília e acusou o PT de armar a história de que teria chantageado o governo.

"A estória da chantagem é uma armação do PT para dar o calote nos empréstimos feitos legalmente no sistema bancário e em atendimento ao partido", sustentou ele em nota emitida por sua assessoria de imprensa neste domingo.

Na nota, ele acrescentou que entregará no início da próxima semana à Procuradoria Geral da República e ao Supremo Tribunal Federal (STF) "farta documentação, comprovando a regularidade da movimentação financeira de suas empresas". Ele também afirmou que, se necessário, cobrará a dívida do PT judicialmente.

A edição da revista Veja desta semana sustenta que Valério teria dito ao ex-presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP): "Vocês vão se ferrar. Avisa ao barbudo que tenho bala contra ele", referindo-se ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo publicada neste domingo, Valério indicou que entregará "quilos de documentos" em Brasília. "Quem tiver motivos para preocupação pode ir se preocupando", disse. Valério acrescentou que está cobrando o que lhe devem.

"A realidade é bem simples. O PT me pediu dinheiro emprestado e está provado que tomei os empréstimos nos bancos. Não paguei a ninguém da minha cabeça", afirmou na entrevista. "Se mandou pagar ao PL ou ao PP, ou a que partido for, se foi para pagar dívidas de campanha ou para gastos de pré-campanha, isso não me diz respeito".

A onda de denúncias começou em maio, quando foi divulgada uma fita que mostrava o ex-chefe do departamento de compra dos Correios recebendo propina e dizendo que o deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) estaria envolvido.

No início de junho, o próprio Jefferson denunciou a existência do suposto esquema de pagamento a parlamentares da base aliada em troca de apoio em votações no Congresso. Os empréstimos feitos pelas empresas de Valério somam 93 milhões de reais, de acordo com valores corrigidos.
Na nota, Valério também afirma que não entende como alguns políticos dizem que receberam doações da Usiminas, "uma vez que, na verdade, as doações foram da SMPB" e lamenta que seu nome esteja envolvido em fantasias para "alavancar vendas de revistas".

Dirceu
Em nota divulgada no sábado, o deputado federal José Dirceu (PT-SP) também criticou a cobertura da imprensa sobre os escândalos envolvendo o PT, o governo e o Congresso Nacional.
Ele afirmou que "o linchamento moral" a que considera estar sendo submetido é uma "covardia jamais vista na história política deste País". Dirceu fez críticas diretas à revista Veja, ao jornal Correio Braziliense, ao Jornal Nacional da TV Globo e à Folha de S.Paulo.
Dirceu afirmou ainda que a imprensa tem ignorado suas explicações e, em alguns casos, sequer tem procurado ouvi-lo antes de publicar reportagens que o envolva em denúncias.

Bookmark and Share

sexta-feira, julho 22

VALE5 a queridinha !


A vale5 continua sendo a melhor opção de compra no curto prazo.

No entanto vale ressaltar que seu IFR está muito próximo de 70 e que operou na contra-mão do mercado hoje. O que pode gerar uma forte realização de lucro na segunda-feira em função da piora do cenário político.

O ativo deve apresentar uma parada técnica em torno de R$ 67,00 antes de prosseguir com maiores projeções altistas.

Bookmark and Share

VALE5 a queridinha !


A vale5 continua sendo a melhor opção de compra no curto prazo.

No entanto vale ressaltar que seu IFR está muito próximo de 70 e que operou na contra-mão do mercado hoje. O que pode gerar uma forte realização de lucro na segunda-feira em função da piora do cenário político.

O ativo deve apresentar uma parada técnica em torno de R$ 67,00 antes de prosseguir com maiores projeções altistas.

Bookmark and Share

Ibovespa dividido entre cenário econômico e político


O Ibovespa não conseguiu superar a barreira dos 25.900 pelo segunda vez consecutiva e apresentou forte realização nesta sexta-feira chegando a encostar na LTA1.

O índice deve convergir agora para os 25.500, já que os recursos externos passaram a ficar escassos em função do rebaixamento do rating país, consequencia da crise política.

Porém a volatilidade está alta o que permite bons ganhos intradiários. Como sugestão aconselho operar a VALE5 no intraday.

Bookmark and Share

Ibovespa dividido entre cenário econômico e político


O Ibovespa não conseguiu superar a barreira dos 25.900 pelo segunda vez consecutiva e apresentou forte realização nesta sexta-feira chegando a encostar na LTA1.

O índice deve convergir agora para os 25.500, já que os recursos externos passaram a ficar escassos em função do rebaixamento do rating país, consequencia da crise política.

Porém a volatilidade está alta o que permite bons ganhos intradiários. Como sugestão aconselho operar a VALE5 no intraday.

Bookmark and Share

Comentário da Semana: mercado dividido entre o cenário político e a economia

A terceira semana de julho foi negativa para o mercado brasileiro, com o aumento da cautela em relação ao cenário político limitando os ganhos do Ibovespa, mesmo com os dados positivos da economia. No cenário externo, o anúncio de mudanças no regime cambial chinês trouxe preocupação.Neste contexto, a bolsa brasileira encerrou a semana em leve alta de 0,67%, enquanto o dólar comercial apresentou valorização de 2,35%, acumulando quatro altas consecutivas. Os juros futuros também encerraram a semana em alta.Cenário interno: mercado divididoA semana foi marcada pela divisão entre o pessimismo no cenário político e as boas notícias do plano econômico. As investigações da CPI dos Correios vão colocando sob suspeita um número cada vez maior de parlamentares, não só da base aliada, mas também da oposição, enquanto a economia continua demonstrando força. Nesse sentido, a popularidade do governo Lula vai se mantendo praticamente estável, segundo pesquisa do Ibope.No plano externo, no entanto, a confiança dos investidores na economia brasileira parece estar começando a sentir os efeitos da crise. Nesta sexta-feira, o banco de investimentos Merrill Lynch rebaixou a recomendação para os títulos da dívida pública brasileira, amparado, principalmente, no cenário internacional, mas também citou os riscos da crise. Ainda sobre a dívida externa, o governo brasileiro deu seguimento durante a semana do processo de retirada dos C-Bonds do mercado na tentativa de melhorar o perfil dos vencimentos e deixar o país mais próximo do grau de investimento.Em sua reunião, o Copom (Comitê de Política Monetária) não surpreendeu e manteve a Selic em 19,75% ao ano. Os índices de inflação seguiram reagindo ao aperto monetário e se mostraram sob controle. A expectativa agora fica por conta do início da queda nos juros.Cenário externo: Greenspan e o iuanNo cenário externo, o destaque ficou com o anúncio do início da flexibilização do regime cambial chinês. O governo do país asiático revelou na última quinta-feira que o iuan não estará mais atrelado somente ao dólar, mas a uma cesta de moedas. A medida foi elogiada pelas autoridades norte-americanas, mas segundo os analistas seus efeitos sobre a economia mundial ainda são incertos.Outro fato que esteve sob o foco dos investidores no mercado internacional foi o discurso do presidente do Fed, Alan Greenspan, ao Congresso norte-americano na quarta-feira. Greenspan sinalizou que não há motivos para encerrar o ciclo de aperto monetário do país, uma vez que a economia continua crescendo em ritmo razoável.Dólar encerra semana em forte altaO dólar comercial encerrou a semana em forte alta de 2,35%, sendo cotado a R$ 2,3980 no fechamento desta sexta-feira, quando acabou encerrando com valorização de 1,57%. O aumento da cautela em relação ao cenário político e as incertezas em relação às condições de liquidez do cenário externo beneficiaram a alta.No mercado de juros futuros, o contrato futuro com vencimento em janeiro de 2007, que apresenta maior liquidez, projetou taxa de 17,85% na sexta-feira, frente a uma taxa de 17,53% no encerramento da semana anterior. Já a taxa anual do CDB pré-fixado de 30 dias fechou a 19,69%, pouco abaixo da taxa de 19,71% da semana anterior.Finalmente, o Ibovespa, principal índice da bolsa paulista, encerrou a semana em leve alta de 0,67%, sendo cotado a 25.391 pontos. O mercado esteve dividido entre os dados positivos da economia e a tensão em Brasília.Copom divulga sua ataA quarta semana de julho será marcada pela divulgação da ata referente à última reunião do Copom, quando Selic foi mantida em 19,75% ao ano, que pode trazer pistas em relação ao início da trajetória de queda do juro básico. O documento é tradicionalmente publicado às quintas-feiras.Nos Estados Unidos, o destaque fica com a divulgação dos números do PIB (Produto Interno Bruto) e dos dados sobre os custos da mão-de-obra no país. Ambos serão divulgados na sexta-feira.

Bookmark and Share

Comentário da Semana: mercado dividido entre o cenário político e a economia

A terceira semana de julho foi negativa para o mercado brasileiro, com o aumento da cautela em relação ao cenário político limitando os ganhos do Ibovespa, mesmo com os dados positivos da economia. No cenário externo, o anúncio de mudanças no regime cambial chinês trouxe preocupação.Neste contexto, a bolsa brasileira encerrou a semana em leve alta de 0,67%, enquanto o dólar comercial apresentou valorização de 2,35%, acumulando quatro altas consecutivas. Os juros futuros também encerraram a semana em alta.Cenário interno: mercado divididoA semana foi marcada pela divisão entre o pessimismo no cenário político e as boas notícias do plano econômico. As investigações da CPI dos Correios vão colocando sob suspeita um número cada vez maior de parlamentares, não só da base aliada, mas também da oposição, enquanto a economia continua demonstrando força. Nesse sentido, a popularidade do governo Lula vai se mantendo praticamente estável, segundo pesquisa do Ibope.No plano externo, no entanto, a confiança dos investidores na economia brasileira parece estar começando a sentir os efeitos da crise. Nesta sexta-feira, o banco de investimentos Merrill Lynch rebaixou a recomendação para os títulos da dívida pública brasileira, amparado, principalmente, no cenário internacional, mas também citou os riscos da crise. Ainda sobre a dívida externa, o governo brasileiro deu seguimento durante a semana do processo de retirada dos C-Bonds do mercado na tentativa de melhorar o perfil dos vencimentos e deixar o país mais próximo do grau de investimento.Em sua reunião, o Copom (Comitê de Política Monetária) não surpreendeu e manteve a Selic em 19,75% ao ano. Os índices de inflação seguiram reagindo ao aperto monetário e se mostraram sob controle. A expectativa agora fica por conta do início da queda nos juros.Cenário externo: Greenspan e o iuanNo cenário externo, o destaque ficou com o anúncio do início da flexibilização do regime cambial chinês. O governo do país asiático revelou na última quinta-feira que o iuan não estará mais atrelado somente ao dólar, mas a uma cesta de moedas. A medida foi elogiada pelas autoridades norte-americanas, mas segundo os analistas seus efeitos sobre a economia mundial ainda são incertos.Outro fato que esteve sob o foco dos investidores no mercado internacional foi o discurso do presidente do Fed, Alan Greenspan, ao Congresso norte-americano na quarta-feira. Greenspan sinalizou que não há motivos para encerrar o ciclo de aperto monetário do país, uma vez que a economia continua crescendo em ritmo razoável.Dólar encerra semana em forte altaO dólar comercial encerrou a semana em forte alta de 2,35%, sendo cotado a R$ 2,3980 no fechamento desta sexta-feira, quando acabou encerrando com valorização de 1,57%. O aumento da cautela em relação ao cenário político e as incertezas em relação às condições de liquidez do cenário externo beneficiaram a alta.No mercado de juros futuros, o contrato futuro com vencimento em janeiro de 2007, que apresenta maior liquidez, projetou taxa de 17,85% na sexta-feira, frente a uma taxa de 17,53% no encerramento da semana anterior. Já a taxa anual do CDB pré-fixado de 30 dias fechou a 19,69%, pouco abaixo da taxa de 19,71% da semana anterior.Finalmente, o Ibovespa, principal índice da bolsa paulista, encerrou a semana em leve alta de 0,67%, sendo cotado a 25.391 pontos. O mercado esteve dividido entre os dados positivos da economia e a tensão em Brasília.Copom divulga sua ataA quarta semana de julho será marcada pela divulgação da ata referente à última reunião do Copom, quando Selic foi mantida em 19,75% ao ano, que pode trazer pistas em relação ao início da trajetória de queda do juro básico. O documento é tradicionalmente publicado às quintas-feiras.Nos Estados Unidos, o destaque fica com a divulgação dos números do PIB (Produto Interno Bruto) e dos dados sobre os custos da mão-de-obra no país. Ambos serão divulgados na sexta-feira.

Bookmark and Share
Copyright © 2002 / 2014 HorusStrategy.com.br. Horus Strategy é marca registrada. Todos os direitos reservados.